Parceiros



Cientistas uruguaios desenvolvem kit de diagnóstico para Covid-19

Autoria: Redação  |  Fotos: Josué Damacena



Cientistas uruguaios desenvolveram, em apenas três semanas, um kit para diagnóstico do novo coronavírus, validado e registrado pelas autoridades sanitárias do país. 

A conquista assegura o abastecimento de testes de detecção da doença em um momento em que há uma grande demanda em todo o mundo e permite que o Uruguai não dependa de importações.

O avanço é resultado de uma parceria entre a Universidade da República do Uruguai (Udelar) e o Instituto Pasteur, com apoio da Agência Nacional de Investigação e Inovação do país. 

De acordo com o ministro da Saúde, Daniel Salinas, os novos kits de diagnóstico da covid-19 devem estar prontos dentro de um mês e permitirão testar 20 mil casos suspeitos. Estima-se que essa quantidade de kits seja suficiente para 12 semanas de testes.

Quanto mais análises um país conseguir realizar, mais casos suspeitos podem ser confirmados e postos em isolamento social podem ser organizados, dificultando a propagação da doença.

Até domingo (22), o Ministério da Saúde Pública realizou 1.129 testes entre o sistema público e os laboratórios privados, sendo que desses, 158 eram casos positivos (14% do total analisado) de coronavírus. 

Um comunicado emitido pelo órgão afirma que "desde 13 de março, quando foi declarada emergência de saúde, foram contabilizados 158 casos em todo o país, a grande maioria leve, apenas um paciente está em terapia intensiva. Foram processadas 205 análises nas últimas 24 horas".

O ministro da Saúde, Daniel Salinas, explicou que o diagnóstico é feito com uma técnica econômica, eficaz e com resultados rápidos e não terá nenhum custo para os cidadãos. As próprias instituições assumirão o investimento. O ministro não detalhou o custo de produção, mas disse que é mais baixo do que o preço de mercado dos kits importados.

"Este kit não se destina a competir com a indústria, mas é dirigido na forma de um bem social e devolvido aos setores mais carentes. Sem dúvida, se amanhã esse vírus ou um novo chegar a se desenvolver, estaremos com a tecnologia para criar um segundo kit com nova variante desse mesmo vírus ou de outro”, afirmou Salinas.

O ministro também explicou que os novos testes permitirão que centenas de profissionais possam realizar os exames. "Isso permitirá que muitas pessoas ligadas à saúde, bombeiros, policiais e militares que tenham um teste negativo, em caso de sintomas respiratórios, retornem rapidamente ao trabalho ou, se positivo, façam as medidas de isolamento necessárias”.

O diretor do Instituto Pasteur, Carlos Batthyány, explicou que a descoberta é a adaptação do protocolo da Universidade de Hong Kong, que foi o primeiro protocolo validado pela Organização Mundial da Saúde para realizar o diagnóstico.

galeria de imagens desta notícia

deixe seu comentário



 



comentários

Os comentários não expressam a opinião da Folha Popular ou de seus representantes e colaboradores e são de inteira responsabilidade das pessoas que os escreveram.

Nenhum comentário



outras notícias



Assine nossa NewsLetter !

Por favor, digite seu Nome e Email

Digital Newsletter

Para cancelar inscrição, por favor clique aqui» .


A Folha

Capa
Expediente
Contato

Redes Sociais

Facebook
Twitter
Youtube

Segurança

Acesso Restrito
Webmail

Voltar ao topo